Rússia x Ucrânia – Entenda o conflito!

Há algumas semanas, a tensão entre a Rússia e a Ucrânia vem aumentando e criando diversas especulações ao redor do mundo, conflito que já envolve outros países, como os Estados Unidos que recentemente se pronunciaram sobre uma ameaça iminente de Moscou a Kiev e o envio de milhares de soldados russos para as fronteiras. Historicamente, os EUA abastecem o governo ucraniano com armas e já deslocaram mais de 3 mil soldados para bases da OTAN na Romênia e na Polônia.

O presidente russo, Vladimir Putin, no entanto, negou as acusações norte-americanas, justificando que os Estados Unidos podem estar tentando forçar uma guerra contra a Ucrânia. No entanto, a presença de mais de 100 mil soldados russos na fronteira entre as duas nações acendeu um alerta mundial sobre a iminência de uma possível guerra, onde o governo russo exige que a Ucrânia não se aliste à Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), que é liderada pelos Estados Unidos.

Uma das primeiras acusações que foi a “gota d’água” nesse conflito é que as autoridades russas estariam por trás de um ataque cibernético que afetou diversos sites oficiais do governo ucraniano. Assim, a ação, segundo a Ucrânia é o que já acontece na região desde 2014, denominado por eles de “guerra híbrida”, pois em 2014 houve a anexação da Crimeia à Federação Russa e desde então diversos fatos parecidos vem ocorrendo. A guerra híbrida, como denominam os ucranianos, é basicamente a implementação de estratégias para obter resultados sem a necessidade de um combate militar de fato, fortemente relacionados à propaganda, provocação e fake news.

Em meados de janeiro deste ano, quando ocorreram esses ataques cibernéticos, as autoridades ucranianas se pronunciaram sobre o motivo do ocorrido, que está relacionado à desestabilização da sociedade mostrando para a população sobre a vulnerabilidade da infraestrutura do país.

Com o temor sobre um possível ataque russo, os serviços de segurança ucracianos já relataram diversas falsas ameaças de bombas, criando um pânico entre a população e o fechamento de escolas e locais públicos, outro exemplo citado como “guerra híbrida”. A Rússia, no entanto, segue negando as acusações de agressão.

E a participação do Brasil nesse conflito?

Brasil e Rússia compõem o mesmo bloco econômico, o BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), mantendo relações comerciais e diplomáticas há anos. No ano passado, inclusive, a Rússia foi o sexto principal exportador de itens para o Brasil (com destaque para os adubos e fertilizantes químicos, carvão e petróleo).

Em meio a tensão, o presidente Jair Bolsonaro decidiu visitar a Rússia e já tem almoço agendado com Putin e reunião com empresários dos setores de energia e fertilizantes, visando o aumento da cooperação comercial entre os dois países.

O departamento de Estado divulgou em nota que “o Brasil tem a responsabilidade de defender os princípios democráticos e proteger a ordem baseada em regras, e reforçar esta mensagem para a Rússia em todas as oportunidades”. Porém, diplomatas dos Estados Unidos disseram que a viagem do presidente brasileiro à Rússia neste momento passaria ao mundo uma mensagem de conivência com o que vem acontecendo contra a Ucrânia, demonstrando uma indiferença às ameaças de invasão.

Iara é graduada em Relações Internacionais e Comércio Exterior é produtora de conteúdo da página ComexLand, possui experiência de mercado na área comercial, de logística e importação.

Iara Neme

Graduada em Relações Internacionais e Comércio Exterior. Produtora de conteúdo na página ComexLand com experiência de mercado na área comercial, de logística e importação.